Vírgulas do Destino: A Vingança! Capítulo 12

Capítulo 12: O Poder Único!

Shinta vê um estranho brilho iluminar Katsumo por momentos. Seria uma ilusão de óptica?

- Mas que raio? O que foi aquilo? – resmunga ele, intrigado!

Lentamente, Katsumo começa a levantar-se! Shinta fica impressionado! Como era aquilo possível? Katsumo estava novamente de pé, com um brilho nos olhos...o brilho da vitória!

- Não, não pode ser! Tu devias estar morto, Katsumo! - grita Shinta, espantado!

Katsumo olha-o nos olhos. Sorrindo, responde:

- Shinta, lamento imenso...mas o teu reinado de Destruição, Caos e Morte vai ter de acabar!

- Estás a falar a sério? Nunca! Mwa ah ah ah ah ah! Ouviste Katsumo? NUNCA! – berrou Shinta, completamente enraivecido.

Shinta e Katsumo lançam-se ferozes um contra o outro. Entre pontapés e socos, cada um dava tudo por tudo. Estavam completamente equilibrados! A dado momento, Katsumo pensa:

- "Ele tem que perder, tenho que aplicar-lhe o golpe final antes que ele se autodestrua!"

Por sua vez, Shinta decide usar a sua arma secreta! O seu rival estava demasiado forte! Era preciso acabar com ele de uma vez por todas!

- Agora chega, Katsumo! Não sei onde foste arranjar tanto poder, mas agora, ACABOU! – exclamou Shinta, abrindo os braços e começando a entoar um estranho mantra, fazendo toda a Terra começar a tremer!

- Eu invoco TODO O MEU PODER! Prepara-te para morrer, Katsumo Hoshi! Mwa wa wa wa wa! – grita Shinta.

- É agora ou nunca! Shinta! Este é pelo Arun, pela Shian, pelo meu irmão e por todas as outras vítimas da tua maldade!! – grita Katsumo, completamente enraivecido!

Katsumo e Shinta colocam-se em posição de combate. Depois de algum tempo concentrados, lançam-se ao ataque, projectando toda a sua energia num soco com o punho direito! A energia de Katsumo continha os poderes de Ataque [Arun], Defesa [Shian] e Alma [Kaji]. A energia do Shinta tinha todo o poder maléfico produzido pelas mortes que ele tinha cometido! Quando os dois socos se chocam...

CAADABBBOOOOOOOOOOUUUUUUUMMM!!!!!!!!!

Ouve-se uma enorme explosão!!

Passados alguns segundos, segundos esses que pareceram durar uma eternidade...

...o silêncio...

- Puf, puf... - Katsumo estava esgotado!

- Puf, puf....Katsumo...perdoa-me...! - Shinta revira os olhos e cai, derrotado...

- Shinta... - Hao e Katsumo aproximam-se dele, que começava a esfumar-se...

De repente, ouve-se um enorme trovão, a chuva pára finalmente e as nuvens desaparecem. Começa um novo e radiante dia. Os espíritos de Shian, Arun e Kaji acenam a Katsumo e despedem-se dele:

- Muito obrigado Katsumo! – responde Shian, sorrindo.

Katsumo começa a chorar, enquanto o espírito de Shian começa a desaparecer lentamente.

Arun aproxima-se de Katsumo e a rir-se, comenta:

- Ficaste caídinho por ela, não foi? Um dia voltarás a vê-la! Ah ah ah ah! Treina muito! Um dia voltaremos a combater, rapaz! Ah ah ah! – Arun despede-se feliz e também ele desaparece lentamente.

Katsumo levanta o polegar e responde:

- Arun, está combinado!

Kaji aproxima-se de Katsumo. Abraçam-se. Katsumo diz:

- Meu irmão...eu...nunca te esquecerei! NUNCA!!!

E Kaji responde:

- Eu estarei sempre contigo, Katsumo! Estarei sempre vivo no teu coração!

E assim, Kaji Hoshi desaparece lentamente, juntando-se aos restantes, numa intensa Luz Dourada, que desce do céu...ao recolher os três espíritos, ela extingue-se...

- Finalmente...acabou tudo finalmente... - suspirou Katsumo, deitando-se no chão.

Hao aproxima-se dele e preparando umas ervas, dá-lhe a comer:

- Toma, vai mastigando estas folhas, elas vão ajudar-te a recuperar as forças...ficarás com as tuas forças ao nível mínimo, mas será o suficiente por agora...

Katsumo começa a comer e sorri para Hao Fang. Estava esgotado. Hao sorriu para ele e disse:

- Hoje tiveste o mais duro teste que a vida te podia colocar pela frente, Katsumo! No entanto, conseguiste superá-lo na perfeição! Estou orgulhoso de ti!

- Eu não consegui vencer sozinho! Precisei da ajuda de outras pessoas! Só com o poder do meu irmão, do Arun e da Shian, todos juntos, é que consegui! – respondeu Katsumo, sentindo-se ensonado.

Hao prosseguiu:

- Não sejas modesto! Tu conseguiste vencer com o grande poder que tens no teu coração! Shinta obteve todo aquele poder porque fez um acordo com a própria Morte! Tu, pelo contrário, tornaste-te um grande guerreiro, por mérito próprio! Estás agora pronto para iniciar uma nova jornada na tua vida! Acredito que vais ter surpresas muito agradáveis, Katsumo! Vá, agora descansa, que bem precisas!

Ao ouvir isto, Katsumo adormece, completamente esgotado. Tinham sido muitas as emoções que vivera nos últimos dias. Hao pegou nele e levou-o para o quarto que partilhavam.

*Dois dias depois...*

- Hummm? Onde estou? – Katsumo acorda, meio ensonado, com o chilrear de pássaros que estavam à janela.

- Ah! Vejo que acordaste! Bom dia Katsumo! – respondeu Hao, com um grande sorriso.

- Estou cheio de fome! Vamos comer algo? – pergunta Katsumo, rindo-se envergonhado.

- Claro que sim! Está muita gente à nossa espera, mas podem aguardar mais um pouco! – declara Hao, entre risos.

Assim, eu e o Hao partimos para o local onde decorreu o torneio. Pelo caminho cruzamo-nos com imensas pessoas que tinham estado entre participantes e público. A dada altura, já a meio do café da manhã, o árbitro apareceu! Felicíssimo, aguardou que acabássemos de comer e depois foi comigo e com o Hao até ao centro da arena e anunciou feliz:

- Senhoras e senhores! O misterioso X foi vencido! Katsumo Hoshi e Hao Fang conseguiram derrotá-lo!

O público explodiu em êxtase com toda a gente a gritar e a aplaudir!

- Viva! Katsumo! Viva! Hao! Viva!

O árbitro pega no troféu [entretanto recuperado por Hao] e declara:

- É com enorme orgulho que entrego este troféu a Katsumo Hoshi, por extraordinários dons de combate, mestria e coragem!

Toda a gente começa a bater palmas e a ovacionar-me! Eu olho para Hao Fang e este acena-me com a cabeça. Eu pego no troféu e levanto-o o mais que posso, sorrindo feliz e dizendo:

- Dedico esta vitória a todas as pessoas que perderam a vida neste torneio!

Toda a gente bate ainda mais palmas e o público delira, gritando o meu nome....


*Hong Kong, 17 de Agosto de 2018*

- E pronto! Foi assim que tudo aconteceu! – respondi, sorrindo levemente.

Quando dei por mim, tinha já uma pequena multidão a escutar-me atentamente. O empregado do café olhou para mim e limpando os olhos, disse:

- Eu nem sei o que dizer...

Ri-me.

- Bem, já vos roubei imenso tempo...está na hora de regressar à escola...! Adeus!

Toda a gente afasta-se impressionada, para deixar-me passar. Via na cara delas o quanto impressionadas estavam com o relato que eu tinha feito. Estava eu a chegar à escola quando me deparo com uma rapariga encostada à porta. Aproximo-me.

- Olá boa tarde! O senhor trabalha nesta academia? Eu procuro o senhor Katsumo Hoshi! – respondeu a rapariga, com um sorriso.

Surpreso, respondi:

- Bem, o Katsumo sou eu, menina...?

- Cassidy! Eu sou a Cassidy! Mandaram-me entregar-lhe isto! – a rapariga entrega-me um envelope que vinha endereçado a mim.

Admirado, olho para o envelope, enquanto Cassidy começa a ir-se embora.

- Muito obrigado Cassidy! – gritei.

Ela vira-se para trás e sorrindo responde:

- De nada! Adeus!

Entrei na academia. Hao veio ter comigo e mostrei-lhe o envelope. Curiosos, abrimos a carta! Era do meu mestre e dizia:



Caro Katsumo,

Já soube que tens tido muitas aventuras! 
Que tal se viesses até cá para me mostrares aquilo de que és capaz? 
Se te mostrares à altura, poderei finalmente ensinar-te as minhas técnicas secretas!
Um abraço e até breve,

Sensei



Virei-me espantado para Hao! Este sorriu e disse:

- Faz o que o teu coração desejar! És livre de voltares aqui sempre que quiseres!


*Hong Kong International Airport, 22 de Agosto de 2018*


Informamos os senhores passageiros que o voo 210 com destino a Kanto, no Japão, levantará voo dentro de minutos! Obrigado!

E assim, 10 minutos mais tarde, parti de regresso ao Japão, tendo por companhia um pôr-de-sol magnífico...

Se tudo o que fizermos é falar sobre cada um ir para o seu lado,
O nosso amor irá afundar, certamente!
De modo a que eu não mate os meus sentimentos por ti,
De modo a que o nosso amor não se perca...

De agora em diante
O céu para onde olho
Parece, de alguma forma, assemelhar-se
Com a tua solidão.

Se estás a passar por noites sem dormir,
Quererás ter uma mão suave ao teu lado.
O vento sopra, distante,
Longe, muito longe daqui…

O vento sopra, distante,
Longe, muito longe daqui…

the-end

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sexo oral. Porém escrito!

Projecto "Baleia Arco-Íris" [Update]

Animal X Animal