Sombras da Luz: Skyfall, Capítulo 11

Capítulo 11: O teste!

A emoção pelo que havia acontecido minutos antes, deixaram toda a família em polvorosa. Tenshi, Yusuke e Renge cantavam a plenos pulmões, muito felizes. Mikel escutava-os, a galgarem os degraus, rumo ao salão onde costumavam confraternizar. Este mantinha-se na casa de banho, fechado e encolhido a um canto. O beijo que Tenshi lhe tinha dado mexera completamente com ele.

Aquele beijo despertara memórias, momentos e uma vontade inacreditável de se entregar, de esquecer que tudo aquilo era apenas um teste, pegar em Tenshi e partirem rumo ao pôr-do-sol, de mãos dadas, montados num cavalo branco.

Como Mikel começasse a demorar, Yusuke veio à procura dele. Após alguma insistência, Mikel abriu-lhe a porta. Yusuke entrou e fechou a porta. Encostou-se à porta e mirou Mikel com um ar sério.

- João... Eu acho que sei porque estás assim.

- Se sabes, compreendes como me estou a sentir. Ou talvez não. Afinal, tu nunca perdeste o Tenshi! Não sabes o que é viver sem ele, aguentar a dor de não o ter ao teu lado! Isto... Isto é tão difícil... É tão confuso...! Depois de tantos anos, vê-lo assim, vivo, é algo que...

Yusuke aproximou-se de Mikel e abraçou-o ternamente. Este começou a chorar, abraçando-se com força.

- Desculpa Yusuke! Desculpa! Eu não queria ter cedido daquela maneira! Eu não devia ter vindo a este Tempo! Não devia ter aceitado! Foi um erro, foi um erro!

- Fazes favor de te acalmar, João? Para começar, creio que sei o motivo pelo qual foste enviado para cá. Tu deténs um poder que nem eu, nem o Tenshi, nem o nosso filho, possuí. E é por causa desse poder que tu conseguiste quebrar aquele cristal! Tu tens noção daquilo que conseguiste?

- Mas... eu beijei o teu marido... Beijei o Tenshi...! E por momentos, eu deixei-me levar... Se pudesse, teria cedido a tudo, ter-me-ia deixado levar até ao fim... Oh se tu soubesses...! - sussurrou Mikel, baixando a cabeça, vermelho que nem um pimentão.

- E julgas que eu não sei disso? Está tudo bem, acredita! Vá, vamos sair daqui e celebrar! Afinal, isto merece comemoração! - rematou Yusuke, levantando-se e conduzindo Mikel para a sala, onde Tenshi e Renge os aguardavam.

Ao chegarem à sala, Tenshi e Renge correram para eles e abraçaram-nos. Aos poucos, Mikel acabou por acalmar-se e entrar no espírito festivo. A dada altura, já a tarde estava a chegar ao fim, Mikel virou-se para os seus amigos e disse:

- Eu fico mesmo muito feliz por saber que, a partir de agora, tudo ficará bem... Mas eu tenho que me ir embora... Tenho uma missão a cumprir!

A este anúncio seguiu-se um coro de protestos. Yusuke, Tenshi e Renge não se queriam acreditar nas palavras de Mikel!

- Olha lá...! Ainda agora libertaste o Tenshi, depois de 7 anos prisioneiro naquele cristal... E já te queres ir embora? Fica! Fica connosco, João!

Mikel fechou os olhos. Ele queria ficar. Porém, sabia que não podia. Tenshi aproximou-se dele.

- Hey... Oka-chi... ¿Entoces? ¿Porque te vas? Por fabor, oka-chi.. ¡Fica! Por fabor... ¡Solo un poquito más...!

Mirar Tenshi nos olhos foi uma catástrofe. Aquele olhar meigo de cachorrinho perdido... Era irresistível! Mikel sabia que tinha de lutar contra o desejo. Estava a ser testado! Não podia ceder! Renge pegou na mão dele e disse-lhe:

- Eu faço anos daqui a uma semana. Estou-te eternamente grato pela prenda maravilhosa que me deste! Peço-te que fiques connosco até lá. Passas cá os meus anos e depois partes. Posso pedir-te isso? Aceitas?

Se já fora difícil encarar Yusuke e Tenshi, o pedido de Renge fora completamente irrecusável! Mikel aproximou-se de Renge e abraçando-o, perguntou:

- Vais fazer quantos anos, afinal?

- 18!

- A sério? Pareces tão novo! E já vais fazer dezoito anos! Incrível!

- É, não é?! Tenho a quem sair, ah ah ah ah! Então, ficas, não ficas? - E deitou-lhe um olhar mesmo fofo, com os olhos brilhantes.

Suspirando, Mikel acabou por acenar a cabeça.

- Está bem, está bem! Eu fico sim! Mas depois dos teus anos, tenho mesmo de partir! Embora não faça a mínima ideia de como regressar...

- Vai correr tudo bem, não te preocupes!

E assim, Mikel abraçou-se a Renge, Tenshi e Yusuke.

Nos dias que se seguiram, o ambiente estava muito animado. Renge era a alma da casa, sempre a brincar e a fazer rir toda a gente. Tenshi, felicíssimo, passava muito tempo a "namorar" com Yusuke. Uma manhã, Mikel deu com Renge a mirar algo no computador, muito atento. Aproximou-se sem fazer barulho e quando Renge se apercebeu, fechou o portátil, muito atrapalhado!

- Então Renge, tudo bem? O que estavas a ver?

- Eu hã... Bem...

- Não precisas de ter vergonha, comigo estás à vontade!

- Hummmm... Eu estava a ver isto...


- Awww que fofos! Surpreendeu-te veres dois rapazes a beijarem-se? Porque ficaste tão corado e atrapalhado? Afinal os teus pais também se amam desde muito novos!

Renge corou ainda mais.

- É que... Sabes... Eu nunca beijei um rapaz...

- Porquê? Tu és um rapaz tão bonito! Não devem faltar rapazes interessados em ti!

- Oh... O mundo é diferente aqui... Não é como o teu...

- Não fiques triste! Este mundo há-de voltar a ser livre! E aí, vais poder beijar à vontade quem tu quiseres!

- A sério? Prometes?

- Eu só te posso prometer que vou fazer os possíveis para acabar com o mal que nos atormenta a todos... O resto terá de partir de ti!

A partir daquele momento, eles começaram a conversar muito, já que Renge tinha sempre perguntas a fazer a Mikel, sobre o Mundo de onde este viera. Mikel achava aquilo muito divertido, principalmente os olhares e expressões de surpresa do pequeno Renge. Em troca, este ensinou-lhe a libertar o seu poder animal e ao fim de algum tempo, Mikel conseguiu libertar o seu poder de lobo, para espanto e surpresa dos seus anfitriões.

- Uau! És muito dotado! Eu levei imenso tempo a conseguir! Tu demoraste apenas dois dias! Fantástico! - exclamou Renge, da primeira vez que Mikel conseguiu fazer aparecer as suas orelhas e cauda de lobo.

- Sugoi ne! Estás muy bonito, oka-chi! ¡Muy guapo! - sussurrou Tenshi, aproximando-se de Mikel e passando-lhe a mão pela longa cauda.

- Fica-te mesmo bem, João! E nota-se que o teu poder aumentou consideravelmente! - comentou Yusuke, apreciando o seu Eu do Passado com admiração.

Depois deste acontecimento, Renge e Tenshi começaram a passar mais tempo juntos. Chegavam inclusive a sair os dois durante imenso tempo, para surpresa de Mikel. Uma tarde, estava ele a observar o lago, quando Yusuke veio ter com ele.

- Então João, que tal? Estás a gostar da estadia?

- Sim, este lugar é muito agradável! Confesso que me sinto aqui muito bem! Na verdade, nem sinto curiosidade em conhecer o mundo fora deste local. Apesar de estar no futuro, sinto-me mesmo bem aqui.

- É bom ouvir isso! Por acaso já me estava a perguntar porque nunca pediste para saíres daqui, para que te levássemos a conhecer um pouco do mundo daqui. Mas acredito que isso seria prejudicial, não é? Afinal, tu vens do Passado. O que vires aqui, poderia influenciar o futuro do teu Presente, não é mesmo?

- Eu penso que sim. Afinal, embora seja uma outra realidade, vejo que há muitas coisas comuns a ambos os mundos... Olha, Yusuke... Porquê que o Renge e o Tenshi estão a passar tanto tempo juntos, agora? Não devias aproveitar e estares com eles também? Sinto-me como um fardo para ti e não gosto de me sentir assim...

Yusuke sentou-se em frente do lago. Mikel seguiu-se-lhe.

- Sabes João, isso é uma parvoíce! Ah ah ah! Eu entendo o que queres dizer, mas a verdade é que não. Tu não és nenhum fardo. Eu e o Tenshi conversamos imenso nos dias que se seguiram à sua libertação e decidimos que iria ser assim. Ele está agora uns dias com o Renge, porque eu quero que tanto o Renge como o Tenshi aproveitem bem estes momentos. Afinal, estiveram 7 anos separados. O Renge acabou por crescer só comigo. Embora eu saiba que ele me ama muito, sei o quão triste estava por não ter o Tenshi consigo, a partilhar os momentos mais importantes da sua vida. Assim, eles estão agora a matar saudades, a explorarem um pouco, a colocarem a conversa em dia. Eles precisam e merecem este tempo.

- Compreendo...

- Existe outro motivo... João... O Renge quer partir contigo.

- O quê? Estás a brincar, certo? Partir comigo? Mas eu vou para o Passado! Depois desta aventura partirei numa aventura anda maior! E ele quer vir comigo?

- Sim, ele quer ir contigo. Ele quer aumentar o seu poder, para conseguir vencer o mal que atormenta este mundo. E está convencido que a tua vinda foi um sinal. Que tu o poderás ajudar a encontrar os meios para ele melhorar e tornar-se mais forte. Daí que logo na primeira noite, quando vieste, ele veio ter comigo e estivemos a conversar sobre isso. Depois aconteceu o que já sabes - quebraste o cristal que ninguém conseguiu quebrar. Deténs um poder muito especial. E ainda para mais tens o poder divino! É mais do que óbvio que o Renge quer partir na tua companhia e está decidido a fazê-lo. Eu já falei com o Tenshi e ele concorda que o Renge parta também. Será uma das nossas prendas de aniversário para ele. Daremos a nossa bênção para que ele viaje contigo. É também por isso que o Renge tem passado mais tempo com o Tenshi.

- Então e tu? Também devias passar algum tempo com o Renge!

- Não te preocupes. Eu vou passar algum tempo com ele, entretanto! João, só te peço que cuides dele o melhor que souberes. Ama-o com todo o teu coração. Ele é um menino muito especial e quando se sente amado, fica muito feliz. Caso contrário, fica bastante doente.

- Ele é muito sensitivo! Eu já me tinha apercebido disso! Não te preocupes, Yusuke! Cuidarei bem dele!

- Ora assim é que é falar! Eu sei que vocês vão conseguir vencer! Não desanimes!

E aplicando uma palmada nas costas de Mikel, Yusuke levantou-se e seguiu para casa, acompanhado por este.

No dia seguinte, era o dia de aniversário de Renge. Yusuke comentou que iria à cidade, a fim de comprar um bolo e alguma prenda para o filho. Renge correu para junto do pai e pediu-lhe para o acompanhar. Mikel aproximou-se de Yusuke e disse-lhe baixinho uma prenda que gostaria de dar a Renge. Yusuke sorriu para Mikel e concordou.

- Está combinado! Eu vou tratar disso! Olhem, o dia está bonito, porque é que vocês os dois não vão fazer um piquenique? Logo quando viermos, celebramos os anos do nosso filhote!

- Uma excelente ideia! - exclamou Tenshi, com um sorriso. - Vou já preparar tudo!

- Óptimo! Divirtam-se muito, meninos! Nada de fazerem asneiras! - gritou Yusuke, entre risos, ao entrar no carro com Renge.

Tenshi e Mikel prepararam um farnel rapidamente, após Renge e Yusuke terem partido. Após várias propostas, optaram por dar um passeio de barco e depois fariam o piquenique na outra margem do lago. Mikel só nessa altura se apercebeu de um pormenor. As folhas das árvores começavam a cair. Muitas estavam já amareladas, outras avermelhadas, outras alaranjadas. Estavam a entrar no Outono!

Depois do passeio de barco, atracaram na outra margem do lago. Decidiram dar um passeio, afinal o dia estava muito agradável.

- Oh Tenshi, que dia é hoje?

- Que pergunta, oka-chi! Hoje é dia 6 de Outubro!

- 6 de Outubro? Possa, mas eu saí da Terra em Agosto! Já se passou tanto tempo?!

Mikel estava completamente surpreendido. Tenshi por sua vez, sorriu levemente e tocando em Mikel, disse:

- Hey... Não penses nisso agora! Estou cheio de fome! Que me dizes a fazermos o piquenique aqui?

Tenshi e Mikel já tinham deixado o barco há algum tempo. Tinham seguido para norte e encontravam-se numa clareira agradável, bastante luxuriante. Para onde quer que olhasse, Mikel só via a floresta, até perder de vista. Pássaros chilreavam. O seu eco escutava-se ao longe. A temperatura estava agradável. Embora estivesse sol, havia uma leve aragem, que indicava que não tardariam a descer as temperaturas.

Acenando com a cabeça, Mikel disse a Tenshi que concordava com a ideia e começaram a estender a toalha e a fazerem o piquenique ali mesmo. Era a primeira vez que estavam juntos e sós desde que o cristal se desvanecera. O coração de Mikel batia rápido. Ele estava um bocadinho nervoso com o momento. Tinha medo do que pudesse vir a acontecer.

Tenshi, por sua vez, agia naturalmente. Falava de tudo um pouco, sorria, mexia nos seus longos cabelos, espreguiçava-se ao sol, como se fosse um gato gigante. Estava muito feliz de ali estar, na companhia de Mikel.

Os dois rapazes ficaram assim, em amena cavaqueira durante imenso tempo. A dada altura começaram a brincar um com o outro, dando a comida à boca. Não tardou muito para que...

- Kit-chi...

- Oka-chiii... Estou muito feliz de estar aqui contigo! Muito mesmo! - sussurrou Tenshi, aproximando-se de Mikel e colocando os seus braços à volta do pescoço deste.

Mikel sentiu uma vontade irresistível de beijar Tenshi. O seu coração quase lhe saltava do peito.

- Eu também... - murmurou.

Tenshi tirou um aparelho pequeno do bolso - a versão 2038 do ipod - e colocou uma música a tocar.



- Awww! Que música linda, kit-chi!

- A música ideal para este momento, meu querido oka-chi! - respondeu Tenshi, aproximando-se ainda mais de Mikel.

O olhar de ambos cruzou-se. Com um sorriso feliz, Mikel tocou no rosto de Tenshi e beijaram-se. E voltaram a beijar-se. Finalmente, depois de inúmeras dúvidas, receios e medos, Mikel cedeu.

Abraçou Tenshi, puxando-o para si. Começou a beijar o pescoço deste, enquanto Tenshi sussurrava doces palavras ao ouvido, intercaladas com mordidelas leves. Mikel fazia-lhe o mesmo, enquanto Tenshi começava a tirar a camisola e Mikel apreciava o seu peito desnudado, beijando-o e mordiscando os seus mamilos. Tenshi começou a gemer baixinho, excitado. Mikel tremia, por um lado nervoso, por outro excitado.

Aqueles gemidos...

Tenshi tirou a camisa a Mikel. Este beijava-o, com paixão.

- Oka-chi... Como te quiero...

- Oh si... Mi amado zorro... ¡Como estrañe todo eso! ¡Estás guapíssimo! ¡Me encantas! - sussurrava
Mikel, enquanto as suas mãos percorriam cada centímetro do corpo de Tenshi, desejoso de o deixar ainda mais excitado.

Tenshi empurrou Mikel e este caiu num chão de folhas secas. Rindo-se, colocou-se em cima dele, provocando-o.

¿Te eches de menos de mi "colita frontal", no?

¡Oh si! ¡La quiero muchissimo! - respondeu Mikel, completamente extasiado.

Tenshi por sua vez, abriu as calças, ao que Mikel fez o mesmo, tirando as suas com rapidez. Tenshi seguiu-se-lhe e ficaram assim, só de boxers, um em cima do outro, a provocarem-se mutuamente, entre beijos e sussurros, enquanto se movimentavam.

De repente, Mikel empurrou Tenshi para o lado e tirou-lhe os boxers. Este deixou-se estar, sorridente. Mikel aproximou-se dele e começou a saborear o generoso membro de Tenshi, enquanto este o beijava e o acariciava. Tenshi começou a gemer cada vez mais. Mikel brincava com ele, pegando no membro de Tenshi e movimentando-o, umas vezes mais depressa, outras vezes mais devagar, acariciando a cabeça bem devagar.

- Não penses que és só tu que vais ter o gozo todo, oka-chi!

Dito isto, Tenshi agarrou-se com unhas e dentes [salvo seja!] ao membro de Mikel.

- Este toque suave e quente... Hummm... Como é bom! - sussurrou Mikel, visivelmente excitado.

- ¡Ay lobito! ¡Te quieró! ¡Te quiero muchissimo! ¡Hummm!

- ¡Y yo a ti, zorrito! ¡Mi zorrito amado! - exclamava Mikel, completamente excitado.

- ¡Hazme tuyo, oka-chi!

¿De verdad?

- Si cariño... ¡De verdad!

E assim, Mikel beijou Tenshi. Colocando-o numa posição confortável, deitou-o e entre sussurros e mordidelas, colocando um, depois dois dedos, até que por fim, Tenshi, louco de desejo, rogou para que Mikel o penetrasse. Com muito carinho este obedeceu, possuindo Tenshi. Primeiro lentamente, depois com mais vigor, entre gemidos excitantes e beijos ardentes. Mantiveram-se naquele vaivém de prazer até os dois atingirem o orgasmo.

Quando atingiram o orgasmo, Mikel deitou-se no chão, a olhar para o céu. Tenshi deitou-se em cima dele, aconchegando-se no seu peito. Mikel abraçou-o, beijando-o e passando as suas mãos novamente pelo seu corpo. Ambos estavam molhados e melados, mas não se importavam. Tenshi passou a língua pelo pescoço de Mikel, enquanto este enrolava os dedos nos pêlos da cintura dele. Estavam em paz e muito felizes. Ficaram assim, durante muito tempo, até que adormeceram.

Já o sol se estava a pôr, quando com uma brisa mais fresca, de súbito acordaram os dois, quase em simultâneo. Nesse momento, Mikel abriu bem os olhos e apercebeu-se do que tinha feito.

- Oh meu Deus! Tenshi...! O que fomos nós fazer?

Tenshi sorriu e beijou-o.

- Está tudo bem, oka-chi! Relaxa!

- Como posso relaxar? Tipo, tu és casado com o Yusuke! E nós acabamos por nos envolver! Oh meu Deus! Isto é errado!

Tenshi segurou o rosto de Mikel e com um ar sério, rematou:

- Eu já te disse que está tudo bem. Eu e o Yusuke falamos sobre esta eventualidade, sabes? E o Yusuke disse que caso isto ocorresse, que estaria tudo bem! Ele sabe o quanto eu sou importante para ti! E no fim de contas, se hoje estou livre, é graças a ti, oka-chi! Merecias este momento!

- Mesmo assim, kit-chi! Eu não devia ter cedido...!

- Não foi bom, meu tonto?

- Oh....Sabes bem que foi óptimo! Mas...

Tenshi beijou-o.

- Vamos arrumar tudo, sim? Temos que ir embora, senão chegamos tarde ao aniversário do Renge!

- Oh, pois é! Vamos lá! - respondeu Mikel, desejando que aquele momento não acabasse.

Mikel sentia-se confuso. Ao escutar aquelas palavras, percebeu que o seu tempo ali estava a terminar. Dali a menos de 24 horas, estaria a deixar aquele mundo. A deixar Tenshi. Nunca mais o iria ver. Seria essa a ideia de Yusuke e de Tenshi? Proporcionarem-lhe aquele momento como prenda de despedida?

Por momentos, sentiu-se triste.

Não queria deixar aquele lugar. Sabia que assim que chegassem ao barco, atravessassem o lago e regressassem a casa, aquele momento se desvaneceria. Seria apenas e só uma doce memória. Olhou para Tenshi. Notou que este também estava abatido. Talvez estivesse a pensar no mesmo que ele, mas em relação ao filho. Afinal, Renge queria partir com Mikel. Abraçou-o.

- Eu sei que estás triste com a partida do Renge! Mas eu vou cuidar bem dele, prometo!

- O Yusuke já te contou, então?

- Sim...

- Custa-me muito... Depois de tanto tempo sem estar com ele, o meu filho é já quase um homem... E um estranho, no fim de contas... Afinal, passou-se tanto tempo, não o vi crescer! Quer dizer, vi, mas tu entendes!

Mikel beijou Tenshi com carinho.

- Claro que sim, kit-chi. E vocês os dois fizeram um bom trabalho, têm ali um filho maravilhoso! Até deviam pensar em ter mais filhos! - rematou Mikel, piscando o olho.

Tenshi riu-se e encostou a cabeça no ombro de Mikel. Chegaram ao barco e rapidamente atravessaram o lago. Passados alguns minutos, estavam em casa. Num clima romântico, Tenshi convidou Mikel para tomarem um banho juntos. Este acedeu e repetiram a dose. Depois de se vestirem e arranjarem, desceram até à sala. Renge e Yusuke chegaram pouco depois.

- Que tal o vosso piquenique? - perguntou Yusuke, com ar visivelmente agastado.

- Foi muito bom, este lugar é fantástico! - respondeu Mikel, com um sorriso. - Então e o vosso passeio pela cidade?

- Infelizmente a cidade foi parcialmente destruída, há semanas atrás. Tivemos de fazer um longo desvio e apanhar outra estrada, rumo à cidade seguinte, que fica a quase 60 quilómetros daqui.

- Porra, tão longe!

- É verdade, com tudo o que tem acontecido, agora é normal, sabes? Mas não vamos pensar mais nisso! Comprei um bolo de anos para o nosso aniversariante, trouxe o jantar, por isso vamos para a mesa!

E assim, Yusuke, Mikel, Tenshi e Renge, que estava visivelmente animado e feliz, sentaram-se à mesa, a comer e a desfrutar da companhia uns dos outros. Assim permaneceram muito tempo, até que Yusuke se levantou, apagou as luzes e acendendo um bonito bolo de anos, começou a cantar o "parabéns a você", seguido de Tenshi e Mikel, enquanto Renge chorava e ria ao mesmo tempo.

Quando terminaram, Renge apagou as velas e os outros bateram palmas. Yusuke acendeu as luzes e aproximando-se do filho, abraçou-o e beijou-o, bem como Tenshi. Mikel observava a cena, sorrindo. Também ele se aproximou de Renge, entregando-lhe a prenda que Yusuke lhe comprara, a seu pedido. Quando Renge abriu o embrulho, encontrou um caderno trabalhado.

- Achei que irias gostar de ter um caderno, onde pudesses escrever a tua aventura, para quando regressares, contares aos teus pais tudo o que te aconteceu... Feliz aniversário!

- Awwww! Muito obrigado! Adorei! - exclamou Renge, abraçando-se a Mikel e dando-lhe dois beijos.

- E esta é a nossa prenda, filho! Espero que gostes! - comentou Tenshi, entregando a Renge um embrulho que Yusuke lhe entregara às escondidas.

- Ohhh! O que é! O papá Yusuke deixou-me a escolher o bolo enquanto foi tomar um café!

- Abre e já vês! - respondeu Yusuke, sorrindo.

Renge assim fez. Ao desembrulhar, deu de caras com um disco!


- Oh meu deus! Um disco dos antigos! Papá! Tu és demais! - gritou Renge, completamente extasiado, correndo para os braços de Yusuke, beijando-o, enquanto este afagava os seus cabelos. Renge puxou Tenshi para si e beijou-o também.

Mikel começou-se a rir, perante aquele entusiasmo.

- Não sabia que gostavas de músicas antigas, fofo!

- Eu adoro! Eu amo músicas antigas! Ainda por cima esta canção! Oh papá! Muito obrigado!

- Vá, vai colocar no gira-discos!

E assim, Renge correu para a sala, seguido pelos outros. Colocou o disco com muito jeitinho no gira-discos e rapidamente começou a tocar uma música ao mesmo tempo que Renge, Yusuke, Mikel e Tenshi começavam a dançar, divertidos:



[Marília Pêra, Luhli, Lucina]

Bem-te-vi estou assim como sempre no Sol no céu de Maio
No jeito de ser, de sorrir, de calar, de dizer do quanto
Um bem-te-vi a voar no céu de Maio
Leve, raio brilhou
E disse assim
Não se perca na clareira
Que a curva derradeira do caminho já chegou
Já não preciso mais procurar o dia
Visão já clareou
Eu posso ver no escuro, eu posso ver
O quanto posso ser
Um canto eu posso eu quero ser
Qual bem-te-vi a voar no céu de Maio
Do Sol claro raiou
Claro que sei que a água vai ligeira
Rolando a ribanceira vai
Molhando seu sorriso 
No riso leve que bentedigo amiga
Mesmo sendo breve
Felicidade é só o que se leva
Leva o olho rindo a riscar o céu de Maio

Bem-te-vi estou assim como sempre no Sol no céu de Maio
No jeito de ser, de sorrir, de calar, de dizer do quanto
Um bem-te-vi a voar no céu de Maio
Leve, raio brilhou
E disse assim
Não se perca na clareira
Que a curva derradeira do caminho já chegou
Já não preciso mais procurar o dia
Visão já clareou
Eu posso ver no escuro, eu posso ver
O quanto posso ser
Um canto eu posso eu quero ser
Qual bem-te-vi a voar no céu de Maio
Ah
Qual bem-te-vi a voar no céu de Maio
Ah

- Awww papás! Que disco maravilhoso! Muito obrigado! - Renge abraçou-se aos pais e começou a chorar.

Inevitavelmente, todos começaram a chorar.

-Vamos dormir todos juntos hoje! Quero aproveitar ao máximo este bocadinho! - exclamou Renge, quando se acalmaram.

Todos acenaram com a cabeça e passado algum tempo, Yusuke acendeu a lareira enquanto Tenshi foi buscar mantas, almofadas e cobertores. Deitaram-se todos em frente da lareira e rapidamente adormeceram, abraçados.

No dia seguinte, acordaram com o estrondo de um trovão. Ao aproximarem-se de uma janela, viram um enorme vórtex próximo do lago! Tinha chegado o momento! Mikel e Renge prepararam-se e despediram-se de Tenshi e de Yusuke.

- Toma bem conta do nosso filho, João! Promete-me que o trazes de volta são e salvo! Tenham cuidado com vocês! - exclamou Yusuke, entre lágrimas, depois de se abraçar ao filho e chorar com ele.

-  ¡Vos amo muchíssimo! - exclamou Tenshi, visivelmente emocionado, abraçado a Yusuke.

- Papá Tenshi, papá Yusuke, até qualquer dia!

- Adeus meus amigos! Nunca esquecerei estes momentos que passei convosco!  ¡Kit-chi! ¡Tkm! Cuida do Yusuke!


E com estas palavras, Renge deu as mãos a Mikel e começaram os dois a correr para o vórtex. Assim
que entraram nele, começaram a rodopiar e o vórtex desapareceu.

[Fim da 3ª Fase da história]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sexo oral. Porém escrito!

Projecto "Baleia Arco-Íris" [Update]

Animal X Animal