Era Uma Vez... O Raposinho Faísca II - O Reencontro!

O Raposinho Faísca II - O Reencontro!

Naquele dia, Faísca acordara muito feliz! O seu papá, o Rei Trovão, havia-lhe dito que ele iria ter uma surpresa muito especial!

Oh!
Esperem lá!
Vocês talvez não saibam quem é o Faísca!

Faísca era um raposinho, um raposinho muito especial. A sua pelugem, muito alaranjada, fora a grande razão para ele ter esse nome. No entanto, Faísca era especial por outro motivo. Faísca não era um raposinho qualquer – ele era o Príncipe do Reino das Raposas!

O reino das Raposas ficava dentro de uma grande e frondosa floresta, onde Homem algum havia entrado. Era um local maravilhoso. Árvores de copa frondosa, uma enorme variedade de animais e plantas coabitavam neste paraíso perdido em paz. Havia também rios e riachos de água cristalina e um lago, bem no centro do reino.

Faísca levantou-se com os primeiros raios de sol - na verdade, ele mal dormira naquela noite!

Que surpresa teriam os seus papás preparado para ele?

Trovão e Raio de Luz, o papá e a mamã de Faísca, eram os Reis do Reino das Raposas. Como Faísca tinha-se portado bastante bem desde a sua última grande aventura [muito graças ao seu Guardião, o Lobo Furacão]*, Trovão e Raio de Luz decidiram que estava na altura de recompensar o seu filhote. E nada melhor que preparar um reencontro há muito desejado! Faísca ia ficar bastante feliz!

Toda a floresta jazia ainda semi adormecida. Uma ténue névoa encobria o lago. Como os papás de Faísca ainda estavam a dormir, este foi ter com Furacão, o seu Guardião, mas, ao chegar à sua toca...

- Olá bom dia! Furacão, estás aí? - perguntou Faísca.

- Olá bom dia, majestade! Lamento muito, mas Sir Furacão já saiu há algum tempo! - respondeu o mordomo de Furacão, um pequeno mocho real.

- A sério? E para onde é que ele foi? - perguntou desiludido, o pequeno raposinho.

O mordomo respondeu:

- Sir Furacão não disse onde ia. Apenas mandou dizer a Sua Majestade que voltaria quando o sol estivesse no topo do céu.

Faísca respondeu:

- Ohhh... Muito bem. Obrigado!

O mordomo fez uma vénia ao raposinho e este, agradecendo uma vez mais, virou costas, cabisbaixo. Não era nada habitual Furacão sair sem ele. Muito menos sair sem lhe dizer onde ia! Faísca voltou para junto dos seus papás. Ao chegar junto deles...

- Então filho, que cara é essa? - perguntou Trovão.

- Papá, fui ter com Furacão mas ele não estava. Tinha saído e disse que só voltava quando o sol estivesse alto... - respondeu o raposinho, ainda triste.

Trovão e Raio de Luz trocam um olhar cúmplice. A mamã de Faísca passou uma pata sobre a sua cabeça, acarinhando-o. Em seguida, tenta confortá-lo:

- Tenho a certeza que Furacão teve um bom motivo para não dizer onde foi. Faísca, porque não vais tomar um banho com o papá? Esse pêlo já começa a cheirar mal... - afirma Raio de Luz, entre risos.

- Hooo! Não me apetece! - resmungou o raposinho.

Noutras ocasiões ele teria ido de bom grado, já que tomar banho com Trovão era sempre muito divertido. Mas, naquele dia, sentia que toda a gente lhe estava a esconder algo e isso começava a deixá-lo muito chateado.

- Vá, anda daí filho! Vamos lá! - ordenou Trovão.

Faísca assentiu com a cabeça, sorrindo levemente. Não valia a pena contrariar o pai. E assim, Rei e Príncipe foram até ao lago real. Chegados ao lago, rapidamente os amuos do pequeno raposinho desapareceram. Ele adorava tomar banho com o pai, já que este estava sempre disposto a alinhar nas suas brincadeiras. Por ali ficaram os dois toda a manhã. Foi uma bela banhoca, com muita brincadeira pelo meio.

Quando o sol já ia alto no céu, o Rei Trovão e o Príncipe Faísca deitaram-se nas margens do lago a secar o pêlo. Após sentirem que o pêlo estava seco e brilhante, regressaram ao Palácio. chegados ao palácio, descobriram que Raio de Luz conversava com Furacão... Mas, havia lá mais alguém!

Quem seria? Ofuscado pela luz do dia, Faísca levou alguns segundos a reconhecer quem era! Até que de repente...

- Awwww! Ventania!!! - gritou Faísca muito feliz!

- Olá Faísca! - respondeu Ventania, sorrindo.

Ventania era uma doninha de orelhas redondas e focinho curto. O seu pêlo era pequenino, castanho, mas a sua barriga era branca. Tinha uma cauda peluda, como Faísca. A doninha anã era uma amiga que Faísca tinha conhecido quando fora parar aos campos de trigo!*

A doninha e o raposinho correram para os braços um do outro e abraçaram-se. Faísca estava mesmo muito contente!

- Há quanto tempo! - exclamou o raposinho.

- É verdade, já passou quase um ano! Os teus pais quiseram preparar-te esta surpresa e por isso convidaram-me a vir passar o dia de hoje contigo! O Furacão foi buscar-me de propósito para eu não me perder! - respondeu a doninha.

Faísca virou-se para o lobo e diz:

- Ahh! Então foi por isso é que saíste de casa tão cedo e não me disseste nada!

Furacão assentiu com a cabeça e responde:

- É vvverdade meu Ppppríncipe! Fffui ter com a jovem Vvvventania a pedido dos ssseus pais! Peço dddesssculpa!

Faísca abraça Furacão e dá-lhe uma lambidela no focinho. Feitas as pazes, Faísca e Ventania passaram o resto do dia a correr e a brincar pelo Reino das Raposas!

* Nota do Autor - Ver "O Raposinho Faísca"


[Nota do Autor - A NEE retratada neste conto é a Gaguez. Podem ler mais sobre ela no conto "O Raposinho Faísca"!]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sexo oral. Porém escrito!

Projecto "Baleia Arco-Íris" [Update]

Animal X Animal